Com o fim dos apoios, Portugal arrisca onda de falências

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Falencia_empresas_temvalor

A pandemia não trouxe mais falências, mas, à medida que os apoios públicos forem retirados, o cenário pode alterar.

O número de falências empresariais foi, em 2020, o mais baixo dos últimos anos, graças às medidas de apoio para as empresas lançadas pelo Estado durante a pandemia de covid-19.

No entanto, escreve o Público, à medida que as moratórias, as garantias de crédito e os apoios ao emprego forem sendo retirados, várias empresas que estão no limite da sobrevivência podem começar a declarar falência. Os dados começam já a revelar uma ligeira subida do número de encerramentos de empresas.

De acordo com os dados publicados pela consultora Informa no seu barómetro empresarial, em 2020, o número de falências (não incluindo empresas unipessoais) registadas em Portugal, foi 16,3% menor do que em 2019, com o valor registado a ser o mais baixo desde pelo menos 2014.

Apesar da conjuntura económica, as empresas puderam recorrer a apoios que lhes foram permitindo sobreviver, como o lay-off simplificado, a possibilidade de acesso a empréstimos com garantias públicas ou a possibilidade de beneficiar de moratórias de crédito.

Contudo, pode ainda vir a verificar-se um cenário de aumento de falências assim que as ajudas deixem de existir. “Assim que medidas de apoio forem retiradas, as insolvências de empresas podem disparar“, lê-se no relatório do Comité Europeu do Risco Sistémico (ESRB).

O diário cita um estudo, realizado no final do ano passado pela Allianz e a Euler Hermes, que antecipava que em 2021 se poderia vir a registar um aumento, face aos valores pré-crise de 2019, de 32% nas falências empresariais na Europa Ocidental. Isto significa que as falências que não aconteceram em 2020 podem acumular-se em 2021.

Portugal pode vir a registar o mesmo cenário, pelo menos nos setores que foram mais atingidos pela pandemia, como a hotelaria, a restauração, o setor do comércio e o dos serviços.

A dimensão da vaga de falências depende, porém, de vários fatores, desde logo a força da retoma e a capacidade de cada um dos setores para regressarem rapidamente aos níveis de atividade do passado. A forma como irão ser retirados os apoios que os Estados têm vindo a providenciar também é fulcral, nomeadamente no caso das moratórias, empréstimos com garantia pública e ajudas à manutenção dos empregos.

Várias entidades, a nível nacional e internacional, têm vindo a apelar para que os apoios dos Estados sejam retirados de forma progressiva.

Fonte oficial da noticia ZAP

Cláudio Silva

Cláudio Silva

Gerente Uteis & Razoaveis Lda, vendedor e criador de soluções TI , impulsionador de ferramentas tecnológicas para o sector empresarial.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

Categorias

Este é o seu BLOG

A temvalor.pt esta empenhada em disponibilizar conteúdo que realmente lhe interesse e por isso os seus comentários são muito importantes para nós… Gratifique os profissionais com a sua interacção, terá o mesmo significado que uma salva de palmas tem para um artistas ou actor. Obrigado

Publicações Recentes

Siga-nos

Receba a nossa newsletter

Receba no seu email todas as nossas novidades!