“É o ouro português”. Conserveiras querem criar lata de sardinha em forma de lingote com apoios da bazuca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Criar uma lata de sardinha em forma de lingote para valorizar este produto português no estrangeiro. É este o projecto de 20 milhões de euros que junta dez conserveiras portuguesas que esperam obter o apoio dos fundos europeus da “bazuca”.

As conserveiras portuguesas José Gourmet, Ramirez, Cofaco, Cofisa, Briosa, A Poveira, Conserveira do Sul, Pinhais, Conservas Portugal Norte e Comur juntaram-se para criar uma lata de sardinha em formato de lingote.

O projecto está orçado em 20 milhões de euros e conta receber fundos da chamada “bazuca” europeia através do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). A candidatura foi submetida em Setembro passado e ainda aguarda aprovação, segundo apurou o Eco.

A missão do projecto é “criar um mercado novo, de nicho, para as conservas portuguesas”, como explica àquela publicação o administrador da Comur, Paulo Moreira.

“É um projecto que envolve todo o sector e a ideia passa por juntar as dez conserveiras portuguesas que trabalham a sardinha, de forma a envolver todas as conserveiras de Portugal”, explica ainda Paulo Moreira ao Eco.

Esta lata terá forma de lingote porque, afinal, “a sardinha é o ouro português”, segundo o administrador da Comur.

Cada lata de sardinha será vendida por 20 euros e o objectivo é “valorizar o cluster das conservas portuguesas”, salienta ainda Paulo Moreira.

“Queremos ter uma conserva feita da mesma forma por todas as conserveiras que trabalham a sardinha”, nota o administrador da conserveira.

Dos 20 milhões orçamentados, 10 milhões deverão ser investidos na “comunicação do produto”, nota o Eco.

“Se este produto tiver o sucesso que esperamos, tudo o que seja conserva portuguesa vai beneficiar desta imagem e de toda a comunicação que vai ser feita”, nota Paulo Moreira, realçando que a ideia é que haja “um efeito de arrastamento sobre o cluster, ao remunerar muito melhor desde o pescador aos restantes intervenientes”.

Cerca de 70% da produção nacional de conservas é exportada, segundo dados da Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe (ANICP) citados pelo Eco.

Em 2019, “foram exportadas cerca de 50 mil toneladas de conservas portuguesas, o que correspondeu a uma facturação superior a 200 milhões de euros“, destaca a publicação.

 

Artigo retirado de ZAP

Cláudio Silva

Cláudio Silva

Gerente Uteis & Razoaveis Lda, vendedor e criador de soluções TI , impulsionador de ferramentas tecnológicas para o sector empresarial.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

Categorias

Este é o seu BLOG

A temvalor.pt esta empenhada em disponibilizar conteúdo que realmente lhe interesse e por isso os seus comentários são muito importantes para nós… Gratifique os profissionais com a sua interacção, terá o mesmo significado que uma salva de palmas tem para um artistas ou actor. Obrigado

Publicações Recentes

Siga-nos

Receba a nossa newsletter

Receba no seu email todas as nossas novidades!